Festival de Igatu 2017 - Último dia

Um festival que entrará para a História

A última noite foi considera a melhor de todos os festivais
 

Nem o maior amante dos festivais de Igatu poderia imaginar que a última noite da edição 2017 fosse ser tão especial. Tudo começou com o diálogo cultural entre o Violão e a palavra numa harmonia perfeita nas performance e vozes de Jorge Portugal e Roberto Mendes.

Depois deste momento mais intimista, a banda Cidade Negra espalhou a essência do reggae por Igatu fazendo o público, que lotava a praça principal da Vila, viver uma explosão de felicidade. O cantor Toni Garrido parece ter capturado os sentimentos que habitam os festivais e, além de distribuir o talento de sempre, distribuiu carisma, simpatia, chegando a dizer estar se sentindo mais perto do céu por estar em Igatu. Ele chegou a descer do palco para dançar junto com a galera.

Quem pensou que o que já era bom não podia melhorar, enganou-se enormemente. A euforia atingiu o máximo quando o cantor Adelmo Casé, com tributo a Tim Maia, entrou em cena e pôs acordes finais na noite considerada a melhor de todos os tempo, de todos os festivais. Mias cedo, a Orquestra Sinfônica da Bahia, OSBA, realizou um concerto inesquecível na Igreja de São Sebastião, que também, recebeu, exposição do fotógrafo Rui Resende.

“O Festival de Igatu 2017 chegou ao fim deixando a certeza que faremos tudo para que a edição 2018 seja mais perfeita ainda. Por isso destacamos a parceria fundamental da Bahiatursa e do Governo do Estado da Bahia. Agradecemos enormemente também a Libélula Produções Artísticas pela realização do festival e a todas as secretária municipais, em especial a de Educação e a de Meio Ambiente e Turismo”, enfatizou o prefeito de Andaraí João Lúcio Passos Carneiro.